Como a inteligência artificial está mudando o ensino

Qual é o equilíbrio certo entre tecnologia e professor?

Há dois anos, foi solicitado a Craig Coates, entomologista da Universidade A&M do Texas, que fizesse um curso de ciências marcado por fraudes. O instrutor anterior do grande curso de palestras “Insetos na Sociedade Humana”

Ele havia tentado ficar um passo à frente, mas na aula orientada por exames e testes on-line, os alunos compartilhavam novo material rapidamente, assim que ele surgisse. “Tornou-se uma corrida armamentista entre fazer perguntas com mais rapidez e ‘colar’”, lembra Coates, um professor associado que ensina no campus há quase 20 anos.

“Isso transformou tudo em memorização mecânica”.

Ele queria reorientar o curso para a escrita e discussão, convencido de que o método não apenas reduziria a “cola”, mas também seria uma maneira mais atraente de aprender.

Porém, com 500 alunos – 200 pessoalmente e 300 on-line – a avaliação seria um desafio. Ele experimentou uma tarefa e demorou dias para ele e três assistentes de ensino concluir a avaliação. “Seria obviamente impossível”, disse ele, fazer isso manualmente.

A revisão por pares era uma opção, mas ele e seus assistentes precisavam de ajuda para organizar, indicar e avaliar as entregas. Isso o levou a experimentar uma ferramenta que utiliza algoritmos e análises.

A mudança foi um sucesso: os alunos gostaram de escrever sobre pesquisas atuais, inclusive fizeram um blog sobre insetos para debater tópicos em entomologia. A resposta, diz Coates, foi “extremamente positiva”.

A inteligência artificial está aparecendo com mais frequência nas salas de aula das faculdades, principalmente nas grandes instituições que procuram tornar os cursos mais intimistas e interativos.

Um professor da Georgia Tech desenvolveu assistentes e tutores virtuais. Pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon estão criando agentes de conversação para promover discussões on-line.

Os professores estão utilizando material didático adaptável que ajusta as lições de acordo com a compreensão dos alunos e implementando ferramentas orientadas à IA, como a usada por Coates, para promover a escrita e a revisão por pares.

À medida que a inteligência artificial entra em nossa vida cotidiana, por meio de alto-falantes e chatbots inteligentes, não é de admirar que os acadêmicos estejam explorando seu potencial no ensino.

As ferramentas tecnológicas variam, é claro. Alguns focam na seleção de informações para ajudar o professor a organizar e avaliar as tarefas. Outros usam a análise de texto automatizada para explorar os textos dos alunos e criar lembretes relevantes.

O material didático adaptável é construído em torno da sequência dos planos de aula, selecionando o conteúdo com base em avaliações regulares do que os alunos sabem.

As ferramentas avançadas são baseadas no aprendizado de máquina, uma forma da IA que aprende com o comportamento do usuário. E muitas formas de IA se baseiam em pesquisas sobre aprendizado de ciências, psicologia cognitiva, ciência de dados e ciência da computação.

Essa tendência gera sérias questões. Quando você tem um trabalho de inteligência artificial que normalmente é feito por um humano, como isso muda o papel do professor? E qual é o equilíbrio certo entre tecnologia e professor?

Alguns, como Coates, acham que as tecnologias orientadas por algoritmos podem ser auxílios úteis em grandes classes. Elas automatizam algumas das tarefas rotineiras do ensino, para que os professores possam fazer o que nenhuma máquina pode – desafiar e inspirar os alunos a obter uma compreensão mais profunda do que estão aprendendo.

Esses defensores argumentam que essas tecnologias são simplesmente ferramentas a serviço de formas criativas de ensino.

Mas os céticos temem que, se a educação estiver cada vez mais dependente de inteligência artificial e respostas automatizadas, ela colocará a tecnologia no banco do motorista e adotará abordagens formuladas com rapidez para o aprendizado.

Alguns dos algoritmos utilizados nas ferramentas orientadas por IA são construídos a partir de grandes conjuntos de dados de trabalhos de alunos, levantando questões éticas e de privacidade.

Os críticos dizem que recorrer à tecnologia em busca de soluções também pode interromper as conversas sobre alguns dos desafios estruturais para um ensino e aprendizagem eficazes.

Autor:  Beth McMurtrie
Veja a matéria completa clicando aqui