Aprendizagem a Distância: 9 Métodos que Funcionam

Esta série de estratégias de aprendizagem foi projetada para pessoas que estão experimentando educação a distância e on-line pela primeira vez e para professores que já trabalharam à distância e desejam experimentar algo novo.

Cada estratégia de aprendizagem descreve uma abordagem da aprendizagem a distância e fornece orientações sobre como colocar isso em prática. Todas as fichas de ajuda são baseadas em abordagens tratadas em relatórios anteriores de Pedagogia da Inovação e levam em consideração que os estudantes podem ter apenas acesso limitado à tecnologia e à Internet.

1. Sala de aula invertida

Combinando sessões conduzidas por professores com aprendizagem independente

Aula Invertida (em inglês: Flipped Classroom) é uma modalidade de blended learning pesquisada desde 1990, no entanto, que ganhou forma em 2007, nos Estados Unidos da América, com os professores Jonathan Bergman[1]Karl Fisch e Aaron Sams[2]. Esse tipo de estratégia pedagógica tem como objetivo usar o melhor dos recursos presenciais e virtuais, facilitando a aprendizagem dos estudantes.

Sala de aula invertida porque inverte a lógica de organização da sala de aula. Com ela, os alunos aprendem o conteúdo em suas próprias casas utilizando Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), por meio de videoaulas ou outros recursos interativos, como jogos de computador[3], textos, vídeos ou outro conteúdo adicional para estudo[4][5]. O professor torna-se o mediador e a tecnologia, suporte para que os estudantes acessem conteúdos e informações antes da aula. 

Os 4 pilares sala de aula invertida

Ambiente flexível (Flexible environment)

Os educadores criam espaços adaptáveis ​​onde os alunos escolhem quando e onde aprendem, proporcionando grande adaptabilidade ao processo. Além disso, os professores são flexíveis em suas expectativas, nos tempos de aprendizagem e na avaliação dos alunos.

Cultura de aprendizagem (Learning culture)

O modelo de aprendizagem invertida muda deliberadamente a instrução para uma abordagem centrada no aluno, na qual o tempo de aula é gasto explorando tópicos com mais profundidade e criando mais oportunidades de aprendizado. Os alunos participam ativamente na construção do conhecimento, enquanto avaliam seu aprendizado de uma maneira que pode ser pessoalmente significativa.

Conteúdo intencional (Intentional content)

os educadores pensam continuamente em como podem usar o modelo FLIP para ajudar os alunos a desenvolver a compreensão conceitual e a fluência processual. Os professores usam o conteúdo intencional para maximizar o tempo de aula, a fim de adotar métodos e estratégias de aprendizagem ativos centrados no aluno.

Educador profissional

Os educadores profissionais observam continuamente os seus alunos, fornecendo-lhes feedback relevante em todos os momentos, bem como avaliando o seu trabalho. Os educadores profissionais são reflexivos em sua prática, interagem uns com os outros para melhorar a qualidade de seus ensinamentos, aceitam críticas construtivas e toleram “o caos controlado em suas salas de aula”.

Baixa aqui um modelo de sala de aula invertida


2. TeachBack

Aprender explicando o que nos foi ensinado

O professor explica algo sobre um tópico para um estudante. Em seguida, o estudante tenta transmitir a sua compreensão de volta para o professor. Se o estudante der uma boa resposta, o o professor passa a explicar mais sobre o assunto. Se o estudante tem dificuldade para transmitir de volta, o professor esclarece a explicação e o estudante transmiti de volta até que cheguem a uma compreensão.

A conversação pode ser usado para qualquer tipo de ensino e
aprendizagem, incluindo treinamento esportivo, ensino de ciências
e aprendizagem de línguas.

  • Tanto o professor quanto o estudante devem ganhar com o conversação. Os professores explicam seus conhecimentos em uma forma estruturada e descobrem se está sendo compreendido. Os estudantes recebem a instrução direta encontrando qualquer lacuna na compreensão, lembrando e conversando de volta o que foi discutido anteriormente.
  • O processo deve ser visível, com os professores e os estudantes envolvido em cada etapa.
  • Deve haver alguma maneira de verificar se os estudantes estão compreendendo o entendimento, por exemplo, aplicando o que aprenderam, ou completando alguns testes ou questionários.

Com pequenas alterações nos pontos com marcadores,
o ensino também pode ser usado para alunos que trabalham
em níveis semelhantes para explorar um tópico complexo de
perspectivas diferentes

Baixa aqui um modelo de Teachback


3. Aprendizagem Livre

Conectando a aprendizagem entre configurações, tecnologias e atividades

A aprendizagem contínua reúne experiências de aprendizagem que ocorrem em locais e tempos diferentes. Isso pode ser feito de propósito, começando com uma atividade liderada por um professor e movendo
em discussão com membros da família ou estudantes online.

Também pode ser acidental, quando uma informação interessante da televisão ou da Internet desperta uma discussão e uma lição. Os estudantes podem reunir essas experiências vinculadas usando um caderno de papel, um telefone ou laptop.

As aulas em sala de aula acontecem em um ambiente controlado, onde o professor especifica a atividade e fornece todas as ferramentas necessárias, dando mais responsabilidade a aprendizagem dos estudantes, incentivando-os a encontrar ferramentas e recursos em seus ambientes que pode ajudá-los a aprender.

Preparar os estudantes para uma aprendizagem contínua, incentive-os a explorar como podem usar as ferramentas disponíveis para eles em diferentes atividades de aprendizagem.

Quantas maneiras eles podem pensar para encontrar e explorar
informações, produzir trabalhos escritos ou compartilhar imagens,
ideias com outras pessoas ou aplicar o que estão aprendendo
em seu próprio ambiente? Recursos óbvios podem incluir livros, papel, canetas, smartphones e computadores. Outros podem incluir membros da família, falando por telefone fixo, smartwatches, ajudantes digitais
como Alexa, Siri, ou acessar a Internet por meio de videogames.

Inclui treinamento sobre segurança e proteção na Internet que seja apropriado para a idade de seus estudantes e experiência. Suas sessões de aprendizagem poderiam também incorporam o trabalho sobre como estabelecer se informações e fontes podem ser confiáveis, e sobre como usar a pesquisa na Internet de forma eficaz.

A aprendizagem contínua funciona melhor quando o estudante reúne tudo em um lugar ou em um dispositivo. Peça aos seus estudantes para decidirem qual ferramenta eles vão utilizar e refletir sobre sua decisão e quaisquer problemas potenciais.

Baixa aqui um modelo da aprendizagem livre


4. Aprender a Aprender

Aprendendo como se tornar um estudante eficaz à distância

Existem habilidades e técnicas para se tornar um estudante que pode ser adquiridas e desenvolvidas. Na escola, os estudantes muitas vezes contam com os professores para fornecer a estrutura, recursos, e a motivação de que precisam para aprender. Quando você estuda a distância você tem mais flexibilidade e liberdade, porém exige mais responsabilidade.

No nosso dia a dia, estamos sempre aprendendo, assumindo novas ideias e desenvolver novas habilidades. O que achamos difícil aprender é o que os outros querem ensinar, gerenciando nosso aprendizado para atingir determinado objetivos e resultados. Para ser um estudante eficaz o à distância, precisamos desenvolver essas habilidades.

Isso é importante quando os estudantes estão em casa. Na escola, eles têm professores para definir suas metas, planejar como esses objetivos serão alcançados, administrando o tempo, oferecer ajuda e avaliar o trabalho.

Ao estudar à distância, os estudantes têm que assumir mais dessas
tarefas, mas precisam de suporte para fazer isso. O papel do professor é estar ciente das habilidades que os estudantes precisam desenvolver e incluir as oportunidades para que os estudantes tomem conhecimento e desenvolvam essas habilidades.

Aprender a aprender está conectado com a habilidade dos estudantes para trabalhar suas próprias necessidades de aprendizagem e se manter refletindo sobre o processo de aprendizagem.

Isso envolve desenvolver habilidades de comunicação, trabalho em equipe, ser flexível e criativo em novas situações, e tornando-se confiante em sua capacidade de tomar e ação eficaz em circunstâncias variáveis.

Baixe aqui um modelo do aprendendo a aprender


5. Como decidir em quais fontes confiar

Avaliando informações

Todos os dias, os estudantes tomam decisões sobre onde obter informações, em quais fontes confiar, e como responder a visões conflitantes.

Desenvolver habilidades para avaliar as diferentes fontes de informação ou de apenas uma fonte, ajudam os estudantes a evitar as famosas fake news, e tomar decisões sobre opiniões conflitantes, ir além de um conjunto limitado de fontes que filtram diferentes visões e reforçam preconceitos.

Dentro da sala de aula, os estudantes possuem recursos que costumam ser cuidadosamente selecionados. Quando estudar a distância, e em seu dia a dia, eles buscarão em muitas outras fontes de informação. É necessário desenvolver habilidades para julgar quais são confiáveis ​​e quais devem ser evitadas.

Pessoas que não foram ensinadas a avaliar as informações geralmente seguem uma de duas abordagens. Eles podem confiar na opinião de outras pessoas de seu grupo social . Ou eles podem tomar uma decisão com base no que parece certo, sem olhar para outras explicações ou argumentos.

Ensinar os alunos a avaliar a informação desenvolve a compreensão de que o conhecimento é complexo e diverso, que se desenvolve ao longo do tempo e é informado por várias fontes de informação. Também desenvolve sua apreciação de que algumas explicações são melhores do que outras, e que existem estratégias que podem ser usado para ajudar a distinguir evidências confiáveis ​​e bons argumentos.

Baixe aqui um modelo de como verificar as fontes


6. Torne o pensamento invisível

O aprendizado pode se tornar mais eficaz quando os estudantes são capazes de visualizar seu pensamento. Os professores se beneficiam ao ver os objetivos, conceitos e progresso dos estudantes.

Em vez de de se basear em suposições sobre a compreensão do estudante, estratégias para fazer o pensamento visível pode ser usado para fornecer a professores e estudantes uma visão mais precisa das necessidades de aprendizagem dos estudantes.

Tornar o pensamento do estudante visível pode ajudar seus processos de aprendizagem, tornando o estudo mais eficaz e direcionado.
Atividades que conscientizam os estudantes e professores sobre os principais objetivos de um curso, melhora a compreensão do estudante sobre o assunto..

O núcleo de tais atividades é fazer suposições dos estudantes e ideias visíveis para professores e alunos. Estas informações podem ser usadas por professores para adaptar suas experiências de aprendizagem, favorecer o feedback pelos alunos para tomar decisões mais informadas sobre seu estudo.

Mídias digitais, como Twitter, YouTube, Facebook, blogs, wikis, Google Docs, WeChat e Padlet convidam para a interação e colaboração. Essas mídias oferecem maneiras de fornecer feedback durante o processo de criação, o que torna mais fácil para os alunos pedirem acompanhamento. Eles também podem discutir, ou mesmo desafiar, o feedback do professor.

Durante as sessões ao vivo, o painel de chat em vídeo conferências, compartilhamentos de documentos e mensagens de texto podem ser usados ​​para tornar o pensamento do estudante visível.

Os professores podem acompanhar as respostas, discutir e contrastando o conteúdo que eles introduziram com o idéias dos alunos. Isso ajuda os alunos a se relacionarem suas suposições sobre as maneiras pelas quais as ideias são discutido dentro de uma disciplina.

Baixe aqui um modelo de como tornar o pensamento visível


7. Aprendizagem através da investigação

Aprendizagem por meio de investigação colaborativa e investigação ativa

A aprendizagem por investigação pessoal envolve a exploração ativa de uma questão que interessa ao estudante e ainda não tem uma resposta conhecida. Os estudantes assumem o controle do processo de investigação
e podem utilizar todas as ferramentas que tiverem a sua disposição para realizarem a pesquisa.

Uma pesquisa pode começar com um professor ajudando os estudantes a refinar suas perguntas, continue com os alunos coletando e visualizando dados em seu ambiente, e termine com os estudantes apresentando os resultados ao professor ou para toda a classe.

Para que a pesquisa funcione bem, os problemas que são estudados e devem estar relacionados aos interesses dos estudantes e às experiências de cada um. Os estudantes devem ser ativos que colocam questões para as quais desejam genuinamente saber a resposta.

Um aspecto central da aprendizagem de investigação pessoal é que os estudantes assumem a responsabilidade pelo processo de investigação. Para
que isso aconteça, eles precisam de uma compreensão clara do processo e o seu papel na aquisição de conhecimento em uma disciplina particular.

Por exemplo, se eles são motivados em uma pesquisa cientificamente, eles precisam ser apoiados para aprender quais tipos de perguntas são cientificamente apropriadas, como eles podem ser enquadrados como consultas válidas, quem eles podem encontrar e fornecer informações científicas confiáveis, que tipos de estudo são apropriados, por que é importante coletar dados confiáveis, como isso pode ser analisado e apresentado como evidências válidas e como os resultados de uma investigação podem ser compartilhado e discutido.

Baixe aqui um modelo de pesquisa


8. MOOCS para a aprendizagem de idiomas

Recursos online para ouvir, ler e compreender a linguagem.

Cursos online aberto massivo (MOOCs) são geralmente cursos de acesso aberto que podem ter a turma a turma de qualquer tamanho. Muitas vezes assumem a forma de cursos baseados no ensino universitário ou pré-universitários, são definidos em níveis e estão disponíveis gratuitamente online.

A maioria inclui vídeos curtos, acompanhados de legendas ou transcrições. Alguns MOOCs são projetados para ensinar idiomas específicos, mas todos eles podem ser usados ​​como recursos para alunos de línguas iniciando com 13 anos de idade.

MOOCs foram escritos para um grande público e fornecem exemplos de boa qualidade. Eles cobrem vários assuntos que se enquadram no interesses de muitos estudantes, eles são acessados sempre que houver acesso à Internet. Eles têm horários flexíveis. Os estudantes podem escolher um único tópico e revê-lo várias vezes ou trabalhar em um seção mais longa.

O conteúdo do curso oferece exemplos de uso formal da linguagem. Estes incluem muitos exemplos escritos, bem como exemplos falados acompanhados por transcrições. Discussões de alunos dentro do MOOC fornecem exemplos de conversas menos formais e possibilitar o os estudantes oportunidades de fazer contribuições por escrito para discussões na língua que estão aprendendo.

Os MOOCs oferecem diversas oportunidades de aprendizagem especializado em idiomas. Alguns estudantes escolherão um MOOC que trata de uma área que eles conhecem bem, para que possam desenvolver suas habilidades de linguagem. Outros escolherão um assunto sobre o qual desejam aprender mais e irão estudar o assunto e a linguagem ao mesmo tempo.

MOOCs oferecem oportunidades de estudar muitos idiomas. Estes são alguns dos maiores fornecedores.

Baixe aqui um modelo de MOOC


9. Cultura maker

Aprender fazendo

A cultura Maker incentiva as pessoas a aprenderem juntas enquanto criam e constroem. A ênfase está em experimentar, inovar e testar as teorias ao fazer. Isto é uma abordagem lúdica de aprendizagem. Encoraja os estudantes a correr o risco de errar e a aprender com seus erros. O feedback é fornecido por meio de testes imediatos, reflexão pessoal e feedback de pessoas que trabalham nos mesmos projetos ou em projetos semelhantes.

É uma abordagem que funciona bem para assuntos práticos e criativos, mas também desenvolve habilidades que podem ser aplicadas em qualquer área da aprendizagem.

A cultura Maker pode ser usada para criar novas maneiras de aprender que os tornam mais vivos e relevantes para os estudantes. Baseia-se em modelos de aprendizagem bem-sucedidos que são usados ​​no local de trabalho e na vida cotidiana.

A cultura do Maker enfatiza a produção de coisas que resolvem uma necessidade na vida diária. Este pode ser uma necessidade prática; também pode ser uma necessidade criativa. Exemplos de cultura Maker durante a pandemia de Covid-19 inclui o desenvolvimento de equipamentos de respiração e máscaras faciais.
Respostas criativas incluem reproduções caseiras de obras de arte.

Os estudantes produzem objetos por meio de um processo criativo que enfatiza o feedback imediato, um processo que frequentemente inclui desenvolvimento rápido, testes, e construção de muitas versões.

A criação compartilhada é considerada altamente valiosa. Os estudantes são estimulados a desenvolver as suas habilidades, novas soluções, explorar, métodos novos de produção .

Erros e falhas são considerados resultados positivos de aprendizagem que oferecem oportunidades para reflexão pessoal e desenvolvimento de habilidades.

A cultura Maker incentiva novas aplicações de tecnologias. Também incentiva as pessoas a explorar ligações entre áreas e formas de trabalho que são geralmente considerados separados, incluindo uma variedade de
disciplinas criativas e práticas.

Baixe aqui um modelo de cultura maker

Fontes: The Institute of Educational Technology is part of The Open University
https://iet.open.ac.uk/pages/teaching-at-a-distance
https://pt.wikipedia.org/wiki/Aula_Invertida